Seu Navegador não tem suporte a esse JavaScript!
 


 

Combate ao Aedes Aegypti: prevenção e controle da Dengue, Chikungunya e Zika

Esta época do ano é a mais propícia à proliferação do mosquito Aedes aegypti, por causa das chuvas, e consequentemente de maior risco de infecção por essas doenças. No entanto, a recomendação é não descuidar nenhum dia do ano e manter todas as posturas possíveis em ação para prevenir focos em qualquer época do ano. Por isso, a população deve ficar atenta e redobrar os cuidados para eliminar possíveis criadouros do mosquito.

No Brasil, a Secretaria de Vigilância em Saúde / Ministério da Saúde, informou a situação epidemiológica do país do dia 29 de dezembro de 2019 à 04 de abril de 2020, registrando 525.381 casos confirmados e 181 óbitos.

Na nossa região o Grupo de Vigilância Epidemiológica de Jales, é responsável por 35 municípios e pelo monitoramento dos casos de dengue. No ano de 2019 ocorreram 11.526 casos positivos de dengue, nesses 35 municípios, sendo que Indiaporã registrou neste período 77 casos positivos.

Nesse ano de 2020, a microrregião de Fernandópolis registrou 1488 casos de janeiro a abril a vigilância Epidemiológica de Indiaporã nesse período vem intensificando cada vez mais o trabalho das equipes, o resultado vem demonstrado no quadro abaixo, onde os números retratam a realidade regional.

Município

Casos de Dengue confirmados de janeiro à abril de 2020, segundo a Grupo de Vigilância Epidemiológica de Jales

Fernandópolis

282 casos confirmados

Indiaporã

29 casos confirmados

Ouroeste

269 casos confirmados

Guarani D’ Oeste

31 casos confirmados

Mira Estrela

52 casos confirmados

Populina

80 casos confirmados

Estrela D’ Oeste

715casos confirmados

Pedranópolis

30 casos confirmados

AÇÕES DESENVOLVIDAS PELA EQUIPE DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE (SUCEN/ Agentes Comunitários de Saúde/ Vigilância Epidemiológica/ Vigilância Sanitária), sendo ações contínuas de orientações da população nos domicílios, comércio e nas escolas através das visitas domiciliares e meios de comunicação (rádio e site da prefeitura);

ü  Mutirões e bloqueios para eliminação de criadouros nos domicílios realizados pelos Agentes de controle de endemias e Agentes comunitários de saúde;

ü  Ações de Promoção e Prevenção contra o Aedes através da troca de reciclagem/criadouros por ingressos para participarem do parquinho e trenzinho as crianças do município.

ü  Visitas em loco da equipe de Vigilância Sanitária a terrenos baldios, lotes abandonados e sujos, atendendo a denúncias realizadas pelos munícipes, que poderão ser feitas pelo telefone (17) 3842-1260 / 3842-1184 ou presencialmente na secretaria de Saúde com a equipe de Vigilância Sanitária (Ronaldo Luz e Gabriela Arantes).

Assim entre todas essas ações é de extrema importância a conscientização de cada morador participar ativamente das limpezas e manejo de seus quintais, terrenos e demais imóveis, pois a união faz a força!

Fica claro que de nada resolve fazermos nossa parte, precisamos também que os outros façam a sua parte, por isso seja também fiscal com relação a seus vizinhos e denuncie a equipe de Vigilância Sanitária!!!!

 

Saiba como deixar sua casa livre do mosquito da dengue:
   
Combate ao Aedes Aegypti: eliminando focos e criadouros do mosquito

O ciclo de vida do mosquito Aedes aegypti compreende quatro fases: ovo, larva, pupa e adulto. Os ovos são depositados em condições adequadas, ou seja, em lugares quentes e úmidos, preferencialmente depositados em lugares próximos a linha d’água, em recipientes como latas e garrafas vazias, pneus, calhas, caixas d’água descobertas, pratos sob vasos de plantas dentro ou nas proximidades das casas, apartamentos, hotéis, ou em qualquer local com água limpa parada. Apesar disso, alguns estudos apontam focos do mosquito em água suja também.

O macho alimenta-se de seivas de plantas. A fêmea, no entanto, necessita de sangue humano para o amadurecimento dos ovos, que são depositados separadamente nas paredes internas dos objetos, próximos a superfícies de água, local que lhes oferece melhores condições de sobrevivência.

Combate ao Aedes Aegypti: ciclo do mosquito

 

 

Data: 16-04-2020 11:36:32